Pode não parecer, mas existe uma diferença entre sinistro e recuperado na natureza de um veículo.

De forma mais simples de explicar essa divisão, podemos classificar os veículos sinistrados como uma comparação de antes e depois. Os carros sinistrados são como o “antes”, enquanto os veículos recuperados são o “depois”. 

É importante saber destas questões, pois há inúmeras particularidades entre os veículos sinistrados e recuperados que podem implicar em sua chance de recuperação, revenda, contratação de seguro, entre outros.

Preparamos um post incrível com a diferença entre sinistro e recuperado para que você nunca mais fique com essa dúvida na cabeça.

Aproveite a leitura!

Diferença entre sinistro e recuperado: o que é sinistro do automóvel?

No universo dos seguros, existem algumas palavras que podem ter o significado um pouco distante do nosso dia a dia. Um exemplo de expressão que parece um pouco peculiar é o sinistro de um automóvel. É muito provável que essa expressão vai aparecer diversas vezes em seu contrato de seguros.

desastre da natureza acidenta carro, seguro não cobre determinados acidentes
Um carro sinistrado é um veículo que passou por um incidente, previsto ou imprevisto, cujo acontecimento fora descrito em um seguro auto. Desastres da natureza, geralmente, estão disponíveis em uma cobertura.

O sinistro de um veículo faz parte do vocabulário dos seguros e representa qualquer evento em que o bem segurado sofre um prejuízo material. Ou seja, é quando o risco de fato acontece um prejuízo a um bem assegurado. Dessa forma, o termo está presente na apólice do seguro.

Além do mais, a maneira que o dano acontece não é levado em consideração, seja de maneira imprevista, involuntária ou mesmo súbita. Geralmente, o sinistro do veículo é acionado em caso de acidentes e infortúnios, como batidas de carro ou roubos. Nesses casos, o seguro irá indenizar o portador do veículo, de acordo com a apólice.

No entanto, existem dois tipos de sinistros, o parcial e o integral, tudo depende da gravidade do dano causado. O sinistro parcial acontece quando não há perda total do veículo e é possível fazer reparos. Já o sinistro integral é quando acontece perda total do veículo, logo não pode ser recuperado, seja por caso de roubo e furto ou colisão.

Quem determina o tipo de classificação do sinistro?

De acordo com a lei, o representante responsável por avaliar os problemas com veículos sujeitos a indenização usam como base a resolução do Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), de 2008, onde estão determinados os critérios que servirão para classificar os veículos em pequena, média ou grande monta.

homem fazendo a avaliação de um carro
Ao realizar a vistoria de um veículo sinistrado ou recuperado, um dos principais itens que devem ser vistos é a sua lataria. 

Essa avaliação é feita pelos agentes de trânsito, onde ele deve checar se o automóvel pode voltar a circulação após o dano sofrido. Essas medidas visam a segurança no trânsito e evitar que carros danificados estejam nas ruas, podendo até mesmo causar acidentes..

Pensando nisso, é importante que você verifique se o veículo adquirido através de uma seguradora é de pequena, média ou grande monta. Isso com certeza irá influenciar no valor do veículo ou até mesmo se ele ainda pode circular ou não. Mas, com certeza, atinge diretamente no tempo que você irá gastar para de fato utilizar o veículo.

Tipos de sinistro

Geralmente, os veículos marcados com algum dano são considerados veículos sinistrados. Ou seja, esses veículos foram identificados com a cláusula do sinistro na apólice de seguro.

Como já foi dito, os veículos sinistrados se dividem em pequena, média ou grande monta. Esses níveis representam a escala de avaria que o veículo sofreu e interferem no valor que o automóvel será leiloado. Além disso, também identifica se o veículo poderá ou não circular.

mulher falando ao celular enquanto dois carros aparecem colididos
Esses veículos, com algum tipo de avaria, são bem comuns em leilões de seguradoras e outras instituições.

Para atestar o dano do veículo, a especificação do tipo de dano é realizada pela autoridade de trânsito quando é registrado o Boletim de Ocorrência. Também é possível classificar o dano do veículo através do laudo realizado por empresas especializadas.

Por isso, vamos explicar como diferenciar e identificar os três tipos de danos previstos no Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN).

Pequena monta

De acordo com o que está previsto no Conselho Nacional de Trânsito (CONTRAN), veículos com avaria de pequena monta são aqueles vítima de danos que não prejudicaram a estrutura do automóvel e onde os reparos são geralmente simples.

Após a avaliação necessária, esses veículos não são marcados na documentação no campo de observação por problemas de pequena monta.

Média monta

Os veículos apontados com danos de média monta são aqueles que possuem danos estruturais em algum ponto. Porém, isso não impede reparos e após a comprovação através de laudos com confirmação de um engenheiro, o veículo poderá ser novamente avaliado e, se aprovado, ficará totalmente em situação regularizada.

No entanto, no campo de observação do documento irá constar que o mesmo passou por recuperação de sinistro, atestando que o veículo se envolveu em algum dano. Ainda sim, isso não impedirá a circulação do veículo. Isso somente poderá influenciar no cálculo do seu valor de venda.

Grande monta

Ao falarmos de veículos com danos de grande monta, podemos considerar aqueles que estão no fim da sua vida útil e que automaticamente são identificados como sucatas.

carro acidentado sob condição de perda total
Nos casos de perda total, é possível fazer a venda do veículo em seu estado original ou com reparos para alguma sucata, mas a compra de um veículo com grande monta na documentação possui algumas especificações.

Esses veículos não têm direito à documentação e também possuem retorno de circulação proibido por lei. Sem direito à circular novamente, os documentos são eliminados junto ao órgão de trânsito responsável. Porém, ainda é viável realizar a venda do veículo.

Quer saber se o seu carro deu perda total ou não? Veja aqui como!

Diferença entre sinistro e recuperado: o que são os carros recuperados?

Um veículo recebe o status de “recuperado” quando ele passou, anteriormente, por toda e qualquer situação de sinistro, mas foi reparado ou recuperado (em caso de furto ou roubo), reavaliado e recebeu permissão para voltar às ruas. Na grande maioria das vezes, carros que passaram por colisões severas, cuja estrutura principal (o casco) foi danificada de forma grave, são designados dessa forma.

mecânico trabalhando em um carro
Independente do seu grau de danificação, a informação que aquele veículo foi recuperado estará gravada e fixada em sua documentação até o fim de sua existência.

Quando algum veículo segurado passa por algum incidente involuntário ou imprevisto, é importante que o seu condutor realize um boletim de ocorrência informando a gravidade do acontecido para que essa informação seja diretamente repassada ao DETRAN (Departamento Estadual de Trânsito). 

Assim que o comunicado for feito, a entidade realizará um bloqueio daquele veículo impedindo a sua transferência a terceiro. E, logicamente, o motorista deverá acionar seu seguro de carro para tentar reaver a situação. Em alguns casos, o carro poderá ser transferido para a seguradora do veículo, caso haja alguma clausula no contrato que implique essa demanda securitária.

Veículo Recuperado é um veículo com grande monta? 

Não necessariamente. Geralmente, os veículos recuperados pertencem às classes de média e grande monta de desgaste e danos a acessórios de carros acidentados. Nos casos de média monta, o bloqueio irá acontecer até que aquele veículo seja consertado e passe por uma vistoria credenciada pelo próprio INMETRO. Ao seu término, será informado se aquele veículo apresenta as condições necessárias para que porra circular novamente com segurança. 

fileira de carros a venda
Veículos recuperados possuem um custo-benefício muito bom, sendo a pedida ideal para compradores com o orçamento limitado.

Uma vez que essa vistoria seja concluída, será emitido o CSV (Certificado de Segurança Veicular). Esse documento permitirá que o veículo em questão tenha sua documentação desbloqueada. Contudo, uma vez que isso aconteça, a expressão “recuperado” ou “sinistro/sinistro” constará em seus papeis. E o que isso significa?

Recuperado na documentação 

Independente do seu grau de danificação (média ou grande monta), a informação que aquele veículo foi recuperado estará gravada e fixada em sua documentação até o fim de sua existência. É importante também ressaltar que nos casos de furto ou roubo, aquele veículo também terá a informação presente em seus documentos. Assim como nos casos de leilão. 

Desvalorização do valor

Um dos principais “benefícios” de se adquirir um veículo recuperado é, indubitavelmente, o seu preço. De acordo com a tabela FIPE, o preço de um automóvel recuperado pode variar entre 30% a 42% do valor médio daquele modelo. Contudo, essa desvalorização pode dificultar na hora de contratar um seguro ou em sua revenda. 

Diferença entre sinistro e recuperado: como saber se o veículo possui indício de recuperação?

Carros sinistrados podem ser comercializados sem problemas e dentro da lei, seja um sinistro de pequena, média ou grande monta. Isso é permitido porque eles podem ser recuperados e passar por um novo processo de certificação, certo? Contudo, alguns revendedores podem não ser 100% transparentes quanto à natureza de um automóvel.

mulher encostada sob um carro durante uma batida de automóveis
Ao adquirir em leilão um veículo recuperado ou sinistrado, o novo proprietário deverá arcar com os custos de sua regularização, como reparos necessários e a emissão de novos documentos.

Assim, você pode tentar identificar se aquele veículo foi sinistrado das seguintes formas:

Pela documentação 

O documento de um carro sinistrado terá o termo “sinistro recuperado” ou “sinistro/recuperação”. Esse é o principal e mais importante indicativo que aquele veículo foi sinistrado e passou por um reparo, reforma ou foi recuperado. 

Diferença entre sinistro e recuperado: consultar carro recuperado pela placa

Para descobrir se um veículo foi recuperado ou não, seja por acidente, furto, roubo, ou qualquer natureza, basta seguir esses simples passos: 

  1. Abra a página do Detran;
  2. Preencha o formulário eletrônico com a placa do veículo em questão, ou a data da publicação do possível caso de sinistro;
  3. Digite os caracteres de segurança;
  4. Clique no botão “pesquisar” e visualize a publicação. 

Diferença entre sinistro e recuperado: o seguro para esses veículos

A pergunta mais feita quanto à natureza destes veículos é se existe a possibilidade da contratação de um seguro. A resposta, na maioria dos casos, é sim. Existem algumas seguradoras que não aceitam carros recuperados, assim como existem aquelas que os aceitam. 

mãos segurando um carro de papel
Um veículo que sofreu um sinistro, isto é, quando o seguro do mesmo foi acionado para realizar a cobertura de algum dano, geralmente passou por um caso de perda total ou parcial.

Isso vai variar de acordo com os critérios de avaliação da companhia acionada. Você pode fazer uma avaliação prévia para comprovar se vale a pena a seguradora “apostar” naquele automóvel. Eles podem negar a cobertura caso não achem aquele veículo interessante.

Mas, como dito anteriormente, vai depender da empresa e de sua política de contratação.

Agora que você entendeu a diferença entre sinistro e recuperado, que tal verificar quais condições não são cobertas por um seguro auto?

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui