Os amantes de carros rebaixados e as pessoas que adoram personalizar seus veículos certamente se interessam e muito a respeito das leis que proíbem essas modificações. Rebaixar o carro é uma questão de estética que nem todos os motoristas gostam. Porém, será que é possível fazer essa mudança dentro da lei e não correr o risco de ser guinchado? 

Algumas alterações feitas no veículo podem comprometer a segurança. Por isso, são proibidas pela legislação de trânsito. Quem fica responsável por definir o que pode ou não ser feito, é o Contran (Conselho Nacional de Trânsito).

Essas definições são feitas por meio de suas resoluções. Afinal, o Código de Trânsito Brasileiro conta com diversas leis de trânsito e não consegue estabelecer todas as regras sozinho.

Para entender melhor como é possível rebaixar o carro dentro da lei para não correr o risco de ser guinchado, continue a leitura e fique por dentro do assunto!

O que são carros rebaixados?

Antes de tudo, é preciso entender a definição de carros rebaixados. São aqueles veículos que apresentam sua carroceria (a estrutura que envolve o chassi) mais próxima do chão quando comparados com carros normais. Essa proximidade com o solo é controlada por meio da suspensão, sistema composto por amortecedor, molas e braços ligados à roda. Ela é responsável pela estabilidade do automóvel e pela redução do impacto.

 
carros rebaixados são aqueles que possuem sua carroceria mais próxima do chão do que carros normais
carros rebaixados são aqueles que possuem sua carroceria mais próxima do chão do que carros normais

Porém, há um grande equívoco em pensar que um determinado modelo de veículo veio rebaixado de fábrica. Isso porque, um carro rebaixado é aquele que suas características originais foram modificadas. Ou seja, o modelo que veio mais baixo da fábrica já foi desenvolvido com sua suspensão mais curta originalmente.

O que as leis de trânsito dizem sobre rebaixar o carro?

Rebaixar o carro é uma das modificações mais feitas no tuning, uma arte de modificar as características do veículo. Antigamente não existia nenhuma lei que determinasse um limite de rebaixamento. Porém, a nova resolução do Contran passou a determinar o limite de 10 centímetros do chão, medindo a parte mais baixa do veículo.

 

Essas novas regras liberaram as mudanças em relação às suspensões fixas e reguláveis. Vale lembrar que os pneus e as rodas não podem encostar em outras partes do carro em nenhum momento do esterçamento.

A resolução 479 de 20 de março de 2014 do Contran faz a seguinte declaração sobre o assunto:

“Art. 6º Os veículos de passageiros e de cargas, exceto veículos de duas ou três rodas e quadriciclos, usados, que sofrerem alterações no sistema de suspensão, ficam obrigados a atender aos limites e exigências previstos nesta Resolução, cabendo a cada entidade executora das modificações e ao proprietário do veículo a responsabilidade pelo atendimento às exigências em vigor. 

I – o sistema de suspensão poderá ser fixo ou regulável. 

II – A altura mínima permitida para circulação deve ser maior ou igual a 100 mm, medidos verticalmente do solo ao ponto mais baixo da carroceria ou chassi, conforme anexo I. 

III – O conjunto de rodas e pneus não poderá tocar em parte alguma do veículo quando submetido ao teste de esterçamento.”

os pneus e rodas não podem encostar em nenhuma parte do carro quando feito o esterçamento
os pneus e rodas não podem encostar em nenhuma parte do carro quando feito o esterçamento

Como regularizar o carro rebaixado

Para que o carro fique dentro das leis de trânsitos, algumas regras e procedimentos padrão devem ser respeitados. Primeiramente, é necessário verificar o mínimo dos 10 centímetros do chão. Também veja se as rodas e pneus tocam em alguma parte do carro quando esterçado.

No entanto, engana-se quem pensa que somente fazendo isso você está livre para rodar com o carro modificado. Depois de seguir as regras, você deve solicitar ao Detran a modificação do carro. Serão cobradas algumas taxas para fazer a regularização. Confira no Detran do seu estado os valores cobrados, já que eles podem variar conforme a região.

Em seguida, depois de autorizado pelo Detran, o próximo passo é ir a um mecânico que faça o rebaixamento do carro. Feito isso, uma vistoria em uma oficina credenciada pelo INMETRO deverá ser realizada. Por fim, basta se dirigir até o Detran para pegar o Certificado de Segurança Veicular. Ele será registrado nas observações do CRLV do seu carro.

após feito o rebaixamento, você deverá levar o carro até uma oficina credenciada pelo INMETRO para que uma vistoria seja realizada
após feito o rebaixamento, você deverá levar o carro até uma oficina credenciada pelo INMETRO para que uma vistoria seja realizada

 

O Detran permite rebaixar o carro?

Segundo o Contran, é permitido realizar o rebaixamento do carro, desde que se sigam as regras estabelecidas. Mas o que será que o Código de Trânsito Brasileiro diz sobre isso?

De acordo com o artigo 22 do CTB, uma das responsabilidades dos órgãos executivos de trânsito dos estados é:

“III – vistoriar, inspecionar quanto às condições de segurança veicular, registrar, emplacar, selar a placa, e licenciar veículos, expedindo o Certificado de Registro e o Licenciamento Anual, mediante delegação do órgão federal competente”

Esses órgãos são os Departamentos Estaduais de Trânsito. Isto é: os Detrans. Portanto, cabe a eles checar se as modificações feitas no carro estão de acordo com as normas de segurança previstas na resolução do Contran.

Rebaixar o carro traz alguma vantagem ou benefício?

A principal vantagem vista por quem rebaixa o carro é a estética. Ter o carro rebaixado, como já mencionado, é uma das práticas realizadas no tuning, ou car tuning, uma expressão inglesa que tem como significado algo como “afinação do carro”. Foi desse termo que surgiu o tão conhecido “carro tunado”.

os carros rebaixados são bastante comuns entre os praticantes do car tuning
os carros rebaixados são bastante comuns entre os praticantes do car tuning

Grande parte das alterações feitas no tuning são estéticas. Mas existem algumas modificações que visam deixar o veículo mais potente ou com melhor aerodinâmica. No caso de rebaixar o carro, muitos praticantes do car tuning afirmam que, além de deixar o veículo mais bonito, essa mudança também deixa ele com uma estabilidade maior.

Isso seria explicado pelo fato de o carro ficar mais perto no chão, contribuindo para uma aerodinâmica que proporciona uma dirigibilidade melhor. No entanto, na prática é um pouco diferente, já que é comum que se utilizem técnicas erradas para rebaixar o carro.

Confira a lei para carros rebaixados na íntegra

Um pouco acima, citamos um trecho da resolução do Contran que diz respeito a rebaixar o carro dentro da lei. Confira agora a resolução completa:

“Art. 6º Os veículos de passageiros e de cargas, exceto veículos de duas ou três rodas e quadriciclos, usados, que sofrerem alterações no sistema de suspensão, ficam obrigados a atender aos limites e exigências previstos nesta Resolução, cabendo a cada entidade executora das modificações e ao proprietário do veículo a responsabilidade pelo atendimento às exigências em vigor.

  • 1º Nos veículos com PBT até 3500 kg:

 I – o sistema de suspensão poderá ser fixo ou regulável.

II – A altura mínima permitida para circulação deve ser maior ou igual a 100 mm, medidos verticalmente do solo ao ponto mais baixo da carroceria ou chassi, conforme anexo I.

III – O conjunto de rodas e pneus não poderá tocar em parte alguma do veículo quando submetido ao teste de esterçamento.

  • 2º Nos veículos com PBT acima de 3.500 kg:

I – em qualquer condição de operação, o nivelamento da longarina não deve ultrapassar dois graus a partir de uma linha horizontal.

II – A verificação do cumprimento do disposto no inciso I será feita conforme o Anexo I.

III – As dimensões de intercambiabilidade entre o caminhão trator e o rebocado devem respeitar a norma NBR NM – ISO 1726.

IV – É vedada a alteração na suspensão dianteira, exceto para instalação do sistema de tração e para incluir ou excluir eixo auxiliar, direcional ou autodirecional.

  • 3º Os veículos que tiverem sua suspensão modificada, em qualquer condição de uso, deverão inserir no campo das observações do Certificado de Registro de Veículo – CRV e do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo – CRLV a altura livre do solo.”

Como rebaixar o carro com segurança

A primeira dica é: procure uma oficina de qualidade que entenda sobre carros rebaixados. Afinal, um bom profissional saberá fazer as modificações com segurança e dentro da lei. Além disso, procure trocar as peças ao invés de modificá-las. Ou então, trocar o sistema de suspensão fixa para o de ar ou de rosca.

para que o veículo seja rebaixado com segurança, procure um profissional que entenda do assunto
para que o veículo seja rebaixado com segurança, procure um profissional que entenda do assunto

Tenha em mente que os fabricantes realizam diversos cálculos para desenvolver o veículo. Ou seja, a altura original envolve variáveis que têm grande impacto na suspensão. A quantidade de elos, carga, comprimento, diâmetro, tensão máxima e alguns outros fatores são elementos que resultam na suspensão original de fábrica. Por isso, rebaixar o carro impacta em muitos deles.

Quais cuidados devem ser tomados na hora de rebaixar o carro?

Mesmo que você precise da aprovação de uma instituição credenciada do INMETRO, isso não significa que o trabalho será feito da melhor maneira possível. Uma das técnicas que mais se utiliza na hora de rebaixar carros é cortar um pedaço da mola da suspensão. Essa prática, no entanto, deve ser evitada. Cortar essa mola altera totalmente a dinâmica do amortecedor.

Outro erro cometido na hora de rebaixar o carro é esquentar a mola. Essa técnica faz com que a distância entre os elos seja diminuída. Ela é considerada ainda pior do que a anterior, já que os elos acabam se chocando com facilidade, o que pode danificar completamente o equipamento.

Veja a forma correta de rebaixar carros no vídeo abaixo:

Causar esses danos irreversíveis no sistema de suspensão deixa o carro instável e torto, comprometendo a segurança dos motoristas e dos passageiros. Inclusive, é possível causar uma colisão entre a suspensão e o sistema de freios realizando essa prática. Ou então, entre as barras estabilizadoras do veículo.

Para aqueles que desrespeitarem o limite de 10 centímetros terão como consequência o veículo batendo e raspando constantemente no chão. Isso principalmente em quebra-molas, o que causa estragos frequentes nas peças da parte de baixo do automóvel. Com isso, a carroceria pode acabar entortando e até mesmo rachando.

Devemos ressaltar, também, que existem algumas seguradoras que não aceitam solicitações para contratos com carros rebaixados. Elas possuem liberdade para recusar qualquer solicitação de acordo com seus próprios critérios. Muitas ainda optam por não segurar carros modificados.

Mas a grande questão é: carros rebaixados podem ser guinchados? Confira no nosso post sobre o assunto! 

E aí, aprendeu como rebaixar o carro dentro da lei? Procure um mecânico especialista no assunto para garantir que o procedimento será feito com segurança. Afinal, como vimos no texto, isso nem sempre acontece.

E aí, pensando em trocar de veículo? Confira carros seminovos em oferta no Superbid!

  sucata  

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui