Neste ano, a consultoria PwC divulgou o estudo “Five trends transforming the Automotive Industry” (“5 tendências que transformarão a Indústria Automotiva”).

O relatório se baseia em tendências demográficas fundamentais, observando como o comportamento dos usuários em relação à mobilidade deve mudar e quais serão os impactos dessa transformação.

A PwC Autofacts, time de especialistas em indústria automotiva dedicado a prognósticos do setor, fez um modelo matemático para determinar os efeitos de reestruturação sobre os principais indicadores de desempenho desse setor.

De acordo com o relatório, carros elétricos, autônomos e compartilhados ganharão cada vez mais espaço na indústria e nas ruas, com altas possibilidades de a China ser a líder nesse mercado.

Ainda entre as previsões, o crescimento de carros autônomos será considerável até 2030, o compartilhamento de viagens também deve aumentar e o preço do transporte pode ser reduzido.

 

Neste post, o Blog Superbid apresenta um dos temas abordados no relatório – “O futuro será EACCA”.

Confira:

O futuro será “EACCA” (EACSY)

Para a consultoria PwC, dirigir será mais fácil, seguro, barato e confortável. Ao mesmo tempo, a revolução da mobilidade irá “forçar” a indústria automotiva a se reinventar.

Primeiro item do relatório, a sigla “EACCA” (EACSY, em inglês) abrange 5 aspectos que irão guiar a indústria automotiva do futuro: os carros serão elétricos, autônomos, compartilhados, conectados e atualizados anualmente.

A primeira característica diz respeito à Eletricidade: segundo o relatório da PwC, o veículo do futuro será elétrico, a fim de emitir menos gases poluentes e ser mais silencioso. Essa tendência deverá ser uma iniciativa global: a ideia é que a eletricidade usada para carregar os veículos venha de recursos renováveis.

O avanço realizado nas áreas de inteligência artificial e machine learning também tornaram uma utopia possível: a possibilidade de os carros andarem sem intervenção humana. Com isso, um novo cenário se desenha, trazendo maior economia de tempo e espaço para os passageiros e ampliando a acessibilidade de pessoas sem licença para dirigir.

O conceito de “carro compartilhado” se tornará economicamente viável com a introdução de veículos autônomos. Assim, será mais simples encomendar veículos para onde o usuário deseja ir por meio de um acessível serviço “sob demanda”

futuro automotivo PwC

A quarta dimensão da EACCA engloba o termo Carro Conectado, que representa dois conceitos ao mesmo tempo. No primeiro, aplica-se a Car2Car e a Comunicação Car2X, que se referem à conexão do carro com outros carros e com a infraestrutura de transporte, a fim de ter informações sobre o tráfego.

O segundo conceito abrange a conexão de passageiros com o exterior do veículo. No futuro, eles serão capazes de se comunicar, trabalhar, navegar na internet e acessar serviços multimídia durante a viagem.

Por fim, a sigla do carro do futuro indica que as atualizações serão mais frequentes, afinal, o desenvolvimento em carros elétricos, autônomos, conectados e compartilhados irá impactar no aumento da taxa de inovação na indústria automotiva.

O modelo de ciclo de inovação, que atualmente é de cinco a oito anos, no futuro será anual, a fim de atualizar os veículos com os mais recentes hardwares e softwares.

O consumidor, muito provavelmente, não irá comprar um novo carro a cada ano, por isso as inovações entrarão no mercado, principalmente, através dos veículos compartilhados.

O relatório completo pode ser acessado em inglês aqui.

  sucata  

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui