Conquistar o sonho da primeira casa própria é um grande passo – um marco da vida adulta, muitos diriam. Porém, antes de realizar esse sonho, é necessário um bom planejamento para sair do aluguel ou da casa dos pais.

E para se organizar quando decidir se é o momento certo, algumas dicas podem ajudar no processo. Confira!

1 – Organize um planejamento financeiro

Essa dica te ajuda a organizar seus gastos e ganhos em uma planilha, somando quanto sobra por mês. Dessa forma, será mais simples identificar quanto será possível investir na entrada e no financiamento do seu futuro imóvel.

Em seguida, tente imaginar nesse orçamento quanto você tem de gastos mensais e o que pode ser excluído, para conseguir assegurar uma parcela maior. Uma boa estratégia é diminuir o número de vezes que você gasta com comida fora de casa, como restaurantes, lanchonetes, bares etc.

2 – Leve em consideração a renda familiar

Esse quesito é uma dica importante a ser considerada, pois a soma total da renda familiar pode influenciar diretamente na quantia que será disponibilizada para a conquista deste sonho.

Leve a renda familiar em consideração
Leve a renda familiar em consideração

No caso de financiamento, por exemplo, é recomendável que o valor da parcela não comprometa uma porcentagem superior a 30% da renda mensal da família ou das pessoas que estão envolvidas neste acordo.

Além de ser necessário garantir um valor extra que será utilizado na entrada do negócio, que eventualmente é à vista.

E se você optar por um consórcio, é importante mencionar que uma parte da renda mensal da família deve estar destinada a quitação da prestação até o término do acordo definido através do contrato. Apesar de essa opção oferecer preços mais acessíveis, recomenda-se que o valor comprometido não ultrapasse 30% da renda familiar.

3 – Acerte a localização

Para a maioria dos especialistas nesse assunto, a localização do imóvel é o requisito mais importante que deve ser levado em conta na hora de firmar um negócio.

Mesmo com uma propriedade excelente, estar em localizações distantes de transporte público, comércio, escolas e hospitais pode ser um problema dependendo do estilo de vida de cada um. Atente-se também à infraestrutura, como iluminação e pavimentação da rua.

 

4 – Considere a segurança da região

Essa questão é um dos maiores conflitos, principalmente, nos grandes centros urbanos.

Verifique se existe policiamento,delegacias ou postos policiais nas proximidades. Estar atento às notícias e conversar com vizinhos e moradores do local também ajuda nesse processo de avaliação.

Uma outra questão relevante é a existência de estabelecimentos que funcionem 24 horas, que ajudam na supervisão do bairro e garantem que as ruas estejam movimentadas durante um tempo maior.

5 – Veja qual o perfil de imóvel que desperta o seu interesse

No momento de busca pelo imóvel ideal, tenha suas necessidades muito bem esclarecidas e com o que você tem condições de arcar. Pense se você deseja investir em uma propriedade nova ou usada, um apartamento ou uma casa com quintal, com móveis planejados ou sem.

Os imóveis usados podem ter um investimento menor de primeiro momento, porém ele pode gerar gastos extras com reformas. Leilões de imóveis são uma ótima oportunidade para residências com procedência e economia considerável.

 

6 – Saiba qual condição de pagamento se adequa à sua realidade

No momento de aquisição de um imóvel, é necessário considerar todas as formas de pagamento e escolher a que se encaixa no seu orçamento mensal.

Carta de crédito de consórcio, aplicações financeiras e poupanças são serviços que ajudam a render mais o seu orçamento e proporcionar uma compra melhor, até mesmo à vista.

7 – Leve em consideração os gastos extras

A maioria das pessoas leva em conta somente o valor da compra do primeiro imóvel. Mas a questão relevante é que você precisará arcar com outros gastos para ser proprietário de um excelente imóvel.

Na transição do imóvel já constam algumas taxas e impostos, como:

  • Imposto de Transmissão de Bens Imóveis (ITBI): A cobrança desse item é realizada pela prefeitura e o valor deriva da cidade em que o imóvel está situado.
  • Escritura: documento que certifica a negociação do imóvel por ambas as partes. Em caso de pagamento à vista, o documento deve ser emitido em seguida e quando for financiamento, o responsável solicita através do contrato pelo banco.
  • Registro: Certifica oficialmente a transferência do imóvel para o novo proprietário, que a partir desse momento passa a assumir as despesas do local, como o pagamento da taxa de condomínio e o IPTU.

8 – Atenção para as reformas

É fundamental que a sua atenção esteja voltada, também, para os reparos ou reformas do imóvel, especialmente em casos de propriedades usadas. Alterações na estrutura hidráulica ou elétrica podem trazer custos muito altos, mas planejamento prévio ajuda e muito!

atenção para reformas

 

– Pesquise até ter certeza

Para realizar a conquista deste grande passo não pode ter pressa. Ter paciência para pesquisar, avaliar e verificar é fundamental no processo de negociação, que pode durar dias, meses ou até mais de ano. 

No entanto, ter a certeza de que fez a escolha certa na compra do imóvel compensa a espera.

DEIXE UMA RESPOSTA

Faça seu comentário
Por favor entre com seu nome aqui